Google+ Followers

Google+ Followers

Google+ Followers

terça-feira, 29 de novembro de 2016

5211 - Como surgiu o Grêmio Gaúcho



Um dos três principais clubes sociais de Montenegro é o Grêmio Gaúcho. O texto a seguie mostra como surgiu o primeiro Grêmio Gaúcho, em Porto Alegre e como esse tipo de agremiação se espalhou pelo estado no final do século XIX.
Desde então vários clubes sociais e esportivos foram criados no estado por pessoas de descendência germânica e havia uma certa segregação, ficando as pessoas de origem lusa um tanto excluídas nesses clubes.
Ao que parece o movimento pela criação de grêmios gaúchos foi uma reação das comunidades lusas, criando clubes com participação predominante de pessoas de origem lusa. 
A matéria a seguir explica como começou o movimento que levou á criação de vários clubes sociais com o nome de Grêmio Gaúcho nas principais cidades do estado..


A matéria a seguir explica como começou o movimento que levou á criação de vários clubes sociais com o nome de Grêmio Gaúcho nas principais cidades do estado.

22 de maio - fundação do Grêmio Gáucho, primeira entidade tradicionalista do RS

Imprimir

Criado em Terça, 22 Maio 2012 Última atualização em Terça, 22 Maio 2012Escrito por Cel Araujo
No dia 22 de maio de 1898, em uma discreta reunião campestre de domingo, em algum ponto da Estrada da Cavalhada, ao sul de Porto Alegre, foi fundado o Grêmio Gaúcho, primeira entidade destinada ao estudo e ao culto das tradições do Rio Grande do Sul. No domingo seguinte, outra reunião estabeleceu os estatutos e elegeu a primeira diretoria.
Localizado no bairro Medianeira, tinha como objetivo principal exaltar antigas tradições gaúchas, bem como ser um instrumento de reação a uma crise social que os associados pressentiam no final do século XIX.
Foi essa a primeira iniciativa de organização social, como um clube, para resgatar e preservar aspectos importantes da cultura gauchesca, tornando-se o precursor do Movimento Tradicionalista Gaúcho.
Maj João Cezimbra JacquesO clube foi inicialmente presidido pelo seu idealizador, o então Capitão de Cavalaria e Instrutor da Escola Militar do Rio Grande do Sul João Cezimbra Jacques, sendo formado com outros vinte sócios, seis deles alunos ou colegas da Escola Militar.
Assinaram seus estatutos: capitão João Cezimbra Jacques; Lúcio Cidade; Armando Salgado; José Obino; alferes Eulálio Franco Ribeiro; alferes Abrelino da Costa Godinho; alferes Hermes Borges de Andrade; alferes Timóteo do Amaral Oistrech; alferes Olímpio Antônio dos Santos Rosa; Emílio Castilhos; Lino Jacques; major Marcos Alves Pereira Salgado; Izolino Leal; Armando Assis; Domingos Macedo; Antônio M. Teixeira; Pedro Alexandrino de Borba; Estácio José Pacheco; Adolfo de Albuquerque Belo; Ildefonso Soares Pinto; Otaviano Manuel de Oliveira; Firmino Soares de Oliveira Neto. Outros presidentes dos primeiros anos foram o major Tomás Joaquim Teixeira, oficial do exército leal a Júlio de Castilhos e o tenente-coronel Francelino Cordeiro, oficial da Brigada Militar.
Major João Cezimbra Jacques, por ter idealizado e fundado a primeira entidade destinada ao estudo e ao culto das tradições rio-grandenses, foi consagrado como Patrono do Tradicionalismo Gaúcho em 1959.
Cezimbra Jacques, autor de dezesseis livros que variaram entre a etnografia, antropologia, política e lingüística, produziu, ainda em 1883, a obra “Ensaio sobre os Costumes do Rio Grande do Sul”, estudo pioneiro sobre o assunto e base fundamental para aqueles que se dedicam a hoje estudar e pesquisar a etnografia gaúcha. É com orgulho, pois, que o Casarão da Várzea reivindica ser o berço do Movimento Tradicionalista Gaúcho (MTG). Para continuar o culto às tradições gaúchas e honrar a memória do Maj. João Cezimbra Jacques, em 1985, sob a inspiração do então Capitão e tradicionalista Ivo Benfatto, foi fundado o CTG Potreiro da Várzea.
O prédio do antigo Grêmio Gaúcho, situado na Av. Carlos Barbosa, nº 1525, encontra-se hoje completamente abandonado e  degradado. O "templo" que viu nascer o Movimento Tradicionalista Gaúcho é atualmente habitado por ratos e baratas, sendo quase desconhecido pelos gaúchos e gaúchas de todas as querências.

Matéria publicada no site do Colégio Militar de Porto Alegre em 22 de maio de 2012


Nenhum comentário:

Postar um comentário